Como é escolhido o nome de um furacão?


Edward Pimenta Jr.


Não tem nada a ver com a potência dos ventos. O batismo obedece a ordem alfabética de listas anuais com 21 nomes (um para cada letra do alfabeto, excluindo Q, U, X, Y e Z porque há poucas opções com essas iniciais).


A idéia de usar nomes surgiu nos anos 50 para melhorar a comunicação entre os meteorologistas e a população. Antes disso, o furação era identificado por sua localização em latitude e longitude, um apelido nada fácil para leigos. Primeiro só foram usados nomes femininos - homenagens às mães ou esposas dos homens do tempo. Mas em 1972 a Organização Meteorológica Mundial (WMO) criou cinco comitês para monitorar os mares do planeta e cada comitê criou regras próprias de batismo.


O comitê responsável por monitorar as águas do Caribe, golfo do México e norte do Atlântico (de onde saem os furacões que atingem os Estados Unidos e que acabam virando notícia no Brasil) criou seis listas alternando nomes femininos e masculinos. Os nomes são usados à medida que os ventos aparecem. É por isso que dificilmente há nomes com as últimas letras do alfabeto (mesmo na área mais agitada do planeta, o norte do Pacífico, são apenas 16 furacões por ano, em média).


Quanto mais furioso for o pé-de-vento, maior a chance de seu nome ser banido para sempre. Fabian (furacão que devastou as Bermudas em 2003), por exemplo, nunca mais será utilizado.


Fonte: http://goo.gl/h6zdvS


3 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva