Criatividade Coletiva - Inteligência de Marketing para Eventos

INFORMATIVO

Depressão subtropical se afasta do BR

06/12/2016


 

 

por Josélia Pegorim 

 

A tempestade subtropical Eçaí que se formou na noite do dia 4 de dezembro enfraqueceu e desde a noite do dia 5 voltou a ser uma depressão subtropical. Na análise sinótica feita pela Marinha do Brasil com a situação de 00h UTC de 6 de dezembro (21h de 5 de dezembro, em Brasília), o centro de baixa pressão estava sobre mar, ao largo da costa entre Santa Catarina e São Paulo e tinha valor mínimo de 996 hPa. Esta baixa pressão movia-se para leste, afastando-se da costa brasileira.

 

Esta depressão subtropical continua se movimentando para leste nesta quarta-feira e já não terá mais influência nos ventos na costa da Região Sul e nem do Sudeste. A altura das ondas diminui um pouco mais. A previsão é de ondas com até 1,0m para a maioria das áreas do litoral do Sul e do Sudeste. Entre a região dos Lagos (RJ) até o norte do Espírito Santo podem ocorrer picos com até 1,5 m na madrugada desta quarta-feira, 7 de dezembro. A partir da tarde, o litoral do Rio Grande do Sul também pode ter picos com até 1,5m.

 

Ciclones subtropicais e extratropicais

 

 

A carta sinótica da Marinha (acima) mostra três centros de baixa pressão atmosférica no Atlântico Sul. Um deles é a depressão tropical (ex-tempestade subtropical Eçaí), que é um ciclone subtropical. Os outros dois centros de baixa pressão atmosférica que aparecem na carta sinótica são ciclones extratropicais associados com frentes frias. A representação da frente fria é a curva com triângulos azuis. Repare que a depressão subtropical está traçada sozinha.

 

Na imagem de satélite da América do Sul de 9 UTC de 6/12/16, 6h em Brasília, é possível identificar os três centros de baixa pressão atmosférica no Atlântico Sul.

 

Os mapas com a projeção dos campos de pressão atmosférica feita por modelos computacionais de previsão do tempo também mostram os três centro de baixa pressão.

 

 

Ciclones subtropical, extratropical e tropical provocam fortes rajadas de vento e chuva volumosa. Mas a velocidade do vento vai depender do valor do centro da baixa pressão atmosférica.

 

O ciclone subtropical Eçaí provocou uma rajada de 118 km/h em Florianópolis. Um ciclone extratropical que passou sobre o Sul entre no começo da segunda quinzena de novembro provocou rajadas de 132 km/h no cabo de Santa Marta, no litoral sul de Santa Catarina. Outro ciclone extratropical que passou pelo Rio Grande do Sul e Uruguai no fim de novembro provocou uma rajada de 120 km/h em Maldonado, no Uruguai.

 

Fonte: http://www.climatempo.com.br/noticia/2016/12/06/depessao-subtropical-se-afasta-do-br-4442

Please reload