INFORMATIVO

Caçador de tempestades consegue fotografar o difícil raio ascendente!

Um caçador de tempestades conseguiu capturar um raio no Texas. A imagem viralizou por sua beleza e, principalmente, por ser um evento muito difícil de capturar e vivenciar.

 

Relâmpago ascendente capturado em Lubbock, Texas, por Kyle Russel

 

O caçador de tempestades americano Kyle Russell conseguiu capturar um raio muito peculiar. Em vez de procurar o solo, ramificando-se como de costume, a descarga elétrica veio de algum ponto da cidade de Lubbock, no Texas, até atingir a nuvem. Este fenômeno é conhecido como um raio ascendente. Russell brincou que um raio só queria passar despercebido imitando árvores, mas conseguiu o contrário. A fotografia se espalhou rapidamente nas redes sociais devido ao impacto visual, mas, acima de tudo, à oportunidade.

 

Menos de 1% dos raios que ocorrem diariamente na Terra são ascendentes, e é por isso que são espécimes tão cobiçados. Em geral, elas ocorrem dentro das nuvens ou descem delas até impactarem com algum elemento proeminente.

 

"Um a cada cem raios é ascendente. Eles sempre foram muito difíceis de capturar e cobiçados por caçadores de tempestades."

 

As nuvens cumulonimbus são carregadas com eletricidade através de colisões que ocorrem entre as partículas de gelo e as gotas de chuva, que são movimentadas com intensidade por correntes de ar ascendentes e descendentes. Nesse balanço, as partículas mais pesadas e com carga negativa caem para a base da nuvem e as partículas leves e com carga positiva permanecem no topo. Essa diferença de potencial desencadeia a 'faísca'.

 

As cargas da nuvem também precisam lidar com as positivas que tendem a existir em abundância na superfície. Assim, os raios não apenas compensam as possíveis diferenças entre o topo e a base da nuvem, mas também com a superfície da Terra. Essa diferença geralmente provoca uma descarga em direção ao chão.

 

Relâmpago registrado em Rapid City, Dakota Sul no ano de 2012 - Reprodução: Youtube

 

Em certas ocasiões, os raios fazem o caminho inverso na direção de arranha-céus, turbinas eólicas ou outros elementos que se destacam na paisagem. Descobriu-se que os raios ascendentes costumam ser uma resposta a um relâmpago anterior - este convencional - que ocorre a menos de 20 quilômetros de distância, ocorrendo devido à mudança repentina no campo elétrico.

 

Pesquisas recentes revelaram que o aumento de raios ascendentes representa um risco maior para edifícios, torres ou turbinas eólicas do que os comuns, uma vez que a energia que emitem é maior. É por isso que instigam a continuar investigando, enquanto há mais e mais estruturas altas em nosso horizonte.

 

 

Fonte

 

 

 

 

Please reload

Criatividade Coletiva - Inteligência de Marketing para Eventos