Peruanos estendem tecidos em montanhas para captar água de neblina


Lima, capital do Peru, é a segunda maior cidade do mundo localizada em um deserto - fica atrás só de Cairo, no Egito.


Lima, capital do Peru, é a segunda maior cidade do mundo localizada em um deserto - fica atrás só de Cairo, no Egito.


Com menos de 4 cm de chuva por ano, é comparável à parte mais seca do Saara.


A maior parte da água que abastece a cidade vem dos distantes lagos andinos, mas dificilmente chega regularmente nos bairros periféricos, situados nas montanhas próximas do centro urbano.


Para melhorar o suprimento de água à população mais pobre, que mora nessas regiões, uma ONG deu início a um projeto ousado: está captando água da neblina.


A iniciativa se aproveita do fato de que a região de Lima fica coberta por uma neblina espessa por até nove meses ao ano.


Assista ao vídeo: https://goo.gl/5vjZYw

Abel Cruz descobriu como captar gotículas de água que ficam suspensas nessa névoa: o grupo dele estende grandes de redes de tecido que ficam conectadas a uma tubulação e reservatórios.


Por dia, elas são capazes de extrair de 200 a 400 litros de água da neblina.


Hoje, 60 redes fornecem água gratuitamente a 250 famílias.


Fonte: http://g1.globo.com/natureza/noticia/peruanos-estendem-tecidos-em-montanhas-para-captar-agua-de-neblina.ghtml




28 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva