Fevereiro seco no Cantareira


por Josélia Pegorim


Fevereiro de 2017 foi o segundo fevereiro com menos chuva sobre o Cantareira pelo menos desde 2003.


A consulta pública do nível de armazenamento e sobre a chuva ocorrida nos mananciais que abastecem a Grande São Paulo está disponível no site da Sabesp – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo apenas até o ano de 2003.


Segundo a Sabesp , em 28 dias choveu 94,2 mm sobre o Sistema Cantareira, sendo que a média normal para o mês é de aproximadamente 203,4 mm.


Em fevereiro de 2014 choveu apenas 73,0 mm e em fevereiro de 2012 choveu 95,4 mm. Em fevereiro de 2003 choveu 101,0 mm. Em 2016, o Cantareira recebeu 236,4 mm de chuva em 29 dias.


O Sistema Cantareira, o maior e um dos principais reservatórios para abastecimento de água para a Grande São Paulo e outros municípios paulistas, estava com 62,8% de sua capacidade preenchida com água na manhã do dia 28 de fevereiro de 2017, sem considerar a água da reserva técnica. Há um ano, o armazenamento sem reserva técnica era de 23,2%.


Pouca chuva é esperada para a região das represas que compõem o Sistema Cantareira nas próximas 48 horas. Mas há expectativa de chuva forte a partir da tarde da sexta-feira, 3 de março, e no primeiro fim de semana de março.


Fonte: http://www.climatempo.com.br/noticia/2017/02/28/fevereiro-seco-no-cantareira-9087


20 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva