Poluição de comércio internacional matou 700 mil pessoas em um ano, dizem cientistas


Qualidade do ar afeta pessoas que moram próximas, mas também aquelas que vivem a milhares de quilômetros, diz relatório publicado pela revista "Nature".


Poluição atmosférica de indústrias que produzem bens para exportação é ligada a mais de 700 mil mortes prematuras mundialmente por ano. A qualidade do ar afeta tanto as pessoas que vivem a milhares de quilômetros da fonte da poluição quanto as que vivem próximas, disseram pesquisadores na última quarta-feira (29).


Emissões de indústrias na China produtoras de bens para exportação são ligadas a mortes por doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e câncer de pulmão nos Estados Unidos, por exemplo, de acordo com relatório publicado na revista "Nature".


“Mortalidade prematura relacionada à poluição do ar é mais do que uma questão local e nossas descobertas quantificam a extensão do quanto a poluição atmosférica é um problema global”, disse Dabo Guan, coautor do estudo e professor de economia de mudanças climáticas na Universidade de East Anglia, no Reino Unido.


“O comércio internacional está globalizando ainda mais a questão da mortalidade por poluição do ar ao permitir que atividades de produção e consumo sejam fisicamente separadas”, disse Guan em comunicado.


O relato é o primeiro a relacionar mortes prematuras mundialmente com comércio internacional, segundo os pesquisadores, e utilizou dados de 2007.


Fonte: http://g1.globo.com/natureza/noticia/poluicao-de-comercio-internacional-matou-700-mil-pessoas-em-um-ano-dizem-cientistas.ghtml


14 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva