Campo Grande está tendo 2° julho mais seco em 15 anos


por Josélia Pegorim


Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, está tendo o segundo julho mais seco em 15 anos. Desde o início de julho choveu apenas 0,2 mm no dia 13 de julho, pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia. Tecnicamente apenas chuviscou. Até agora, o total de chuva de julho de 2017 só não é mais baixo do que o de julho de 2008 quando não houve registro de chuva. Esta avaliação leva em conta apenas os dados da estação meteorológica automática de Campo Grande que opera desde setembro de 2001. Portanto para a contabilidade de julho consideram-se as medições a partir de 2002.


A média de chuva de Campo Grande para julho é de 41 mm, a segunda mais baixa na escala anual perdendo apenas para junho que tem média aproximada de 38 mm.


Confira outros julhos secos em Campo Grande


2008: 0,0 mm

2017: 0,2 mm (até 9h do dia 24)

2016: 5,4 mm

2006: 6,0 mm



MS sem chuva


Chover pouco em julho em Mato Grosso do Sul é comum, mas a julho de 2017 está sendo seco demais. Praticamente não choveu no estado. Pela medição do Instituto Nacional de Meteorologia, até o dia 24 de julho, os maiores acumulados no estado não chegavam aos 10 mm: a região de Ponta Porã acumulava 6,0 mm, Amambai, 5,0 mm, Bela Vista acumulava 4,6 mm e Juti tinha 3,2 mm


A chance de cair alguma chuva sobre Campo Grande e em todo o Mato Grosso do Sul até o fim de julho é remota. A possibilidade de chuva em algumas regiões do estado é considerada só para os primeiros dias de agosto, quando uma frente fria deve passar pelo estado.


Massa de ar seco no Centro-Oeste


A falta de chuva ocorre em todo o Centro-oeste do Brasil e é comum nesta época do ano. Julho é um mês tradicionalmente de estiagem. Nas capitais Goiânia (GO) e Brasília (DF) ainda não choveu este mês. Em Cuiabá (MT) há registro de 0,2 mm (chuviscos) no dia 18 de julho.


Esta última semana de julho será marcada por dias muito secos, ensolarados e quentes no Centro-Oeste, sem condições para chuva. Todos os estados e o Distrito Federal devem registrar diariamente várias horas com nível de umidade no ar entre 12% e 20%, muito abaixo do nível mínimo para a saúde humana, recomendado pela Organização Mundial da Saúde, que é de 60%.


Às 15 horas (Brasília) desta segunda-feira, 24 de julho, o Instituto Nacional de Meteorologia registrava 17% em Água Clara (MS), 18% em Goiás (GO), em Paranaíba (MS), em Sonora (MS) e em Cuiabá (MT) e 27% em Brasília.


Foto: Antonio Nascimento, Campo Grande/MS


Fonte: https://goo.gl/A3637t



23 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva