Como o eclipse aparece nos dados meteorológicos


por Redação Climatempo


O espetáculo astronômico do Eclipse Total do Sol 2017 pode ser observado pelo mundo com a ajuda da internet, redes sociais e canais de tv na última segunda-feira (21). Foi uma tarde de eclipse para marcar a história! O fenômeno na sua totalidade pode ser visto em grande parte do território norte-americano, a região mais privilegiada na observação desse eclipse.


Agora, você sabe como o eclipse aparece nos dados meteorológicos?



O sol provê energia que interage com a nossa atmosfera. Essa energia pode ser refletida (pela atmosfera ou pela superfície terrestre), ser absorvida pela atmosfera ou atravessar e chegar à superfície. Essa energia que chega à superfície é o que a gente sente e é o que faz com que a temperatura varie no decorrer do dia. Durante um eclipse podemos ver este efeito claramente!


Os dados abaixo são referentes a uma estação meteorológica que fica na Califórnia, na costa oeste dos Estados Unidos. Durante a passagem do eclipse a temperatura teve uma queda de aproximadamente 2,5°C. É interessante notar também que há um atraso entre a menor radiação e a menor temperatura. Após o pico do eclipse a temperatura volta a subir.


No nosso dia a dia também notamos este efeito: quando o sol se põe a temperatura começa a cair, mas este processo da superfície perder calor ocorre lentamente e a temperatura mínima geralmente ocorre durante a madrugada, bastante tempo após o por do sol.


Os dados abaixo são de outra estação, localizada na costa leste dos Estados Unidos, em Melbourne na Flórida. O Professor Splitt do departamento de meteorologia da Florida Tech realizou estas medições em alta resolução mostrando a queda na radiação solar com a passagem do eclipse. Aqui podemos ver também, no início da série, o efeito das nuvens na radiação.


Fonte: https://goo.gl/cfhFXx


85 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva