Pesquisa usa satélite para saber se árvores estão com sede


Pesquisa realizada na floresta amazônica aponta caminhos para aplicação da tecnologia espacial em estudos de clima no mundo


Por Vanessa Barbosa


São Paulo – As árvores são fundamentais no ciclo da água e na manutenção de um clima equilibrado na Terra. Elas transferem volumes colossais de água do solo para a atmosfera através da transpiração, influenciando ciclos de chuva e seca, e ajudam a recarregar aquíferos que abastecem rios e reservatórios por meio de suas raízes que funcionam como imensas esponjas.


Para medir a saúde de uma árvore e saber o quão “sedenta” por água ela está, os cientistas geralmente acoplam instrumentos de medição nela. O problema é que esses esquipamentos são caros, sensíveis à intempéries e por terem formato de caixa facilmente atraem serpentes, aranhas e outras criaturas.


Mas um pesquisador da Universidade Técnica de Delft, na Holanda, defende um novo método, segundo ele mais barato e prático, para fazer isso. Em sua tese de doutorado, Tim van Emmerik mostra como o uso de satélites pode ajudar e medir a sede das árvores e identificar onde ações corretivas são necessárias.


“A sensibilidade de satélites ao estresse hídrico na vegetação tem sido objeto de discussão há anos. Infelizmente, houve observações insuficientes para testar a teoria até agora”, diz Emmerik. Para provar que a tecnologia é uma alternativa confiável, ele resolveu comparar as medições por satélite com o que acontece no chão.


Juntamente com seu colega Rolf Hut, Emmerik teve a ideia de usar acelerômetros — instrumentos que medem o movimento — como uma alternativa acessível para analisar informações sobre precipitação e evaporação na Amazônia. “Se a floresta tropical se tornar cada vez mais seca ou reduzir de tamanho por causa do desmatamento, isso terá um impacto nos ciclos de água e carbono e poderá contribuir para as mudanças climáticas na Terra”, diz ele em comunicado da universidade.


Para investigar o impacto do estresse hídrico na floresta tropical, foram instalados instrumentos em 19 árvores na Amazônia brasileira para medir seus movimentos. A forma como as árvores se movem depende de várias características, como a massa da árvore, a quantidade de água que permanece no dossel das folhas e quanto a árvore interage com a atmosfera, e até mesmo das estações do ano.


A pesquisa assumiu que as mudanças nos movimentos são resultado de mudanças na massa das árvores, causadas pelo flutuação do teor de água ou da perda de folhas por déficit hídrico. Os pesquisador então contrapôs esses dados com as imagens de satélites baseadas em tecnologia de radar e constatou que os satélites são extremamente sensíveis ao aumento do estresse hídrico na floresta.


Entusiasta de poesia, Van Emmerik resolveu transformar sua própria pesquisa em poesia:


Lonely Satellites I’ll tell you how my research went, What we know from biology, The functioning of ev’ry tree, Depends on its water content

So what if there’s a little less Of this epic liquid of life Will plants just stop to thrive Or will we end up in a mess

Plant death is a catastrophe For that we need to explore new ways To ensure food security

Simply said, to save the human race We need more lonely satellites For drought detection from out’r space

Tradução livre:

Satélites solitários Eu direi como foi minha pesquisa, o que sabemos da biologia, o funcionamento de cada árvore, depende da sua quantidade d´água

Então, e se houver um pouco menos desse líquido épico de vida, as plantas simplesmente deixarão de prosperar Ou acabaremos em uma bagunça

A morte das plantas é uma catástrofe Por isso, precisamos explorar novas formas de garantir a segurança alimentar.

Digo apenas que para salvar a raça humana Precisamos de satélites mais solitários Para a detecção da seca a partir do espaço


Fonte: https://goo.gl/tusZPW


30 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva