Clima pode levar a Europa a registrar até um milhão de novos imigrantes por ano


Refugiados que se deslocam por conta de ondas de calor e inundações não são protegidos pela lei, como os refugiados de guerra, o que deve elevar ainda mais a tensão política


O número de imigrantes que tentam se estabelecer na Europa todos os anos pode triplicar até o final do século se as tendências climáticas se mantiverem, independente de fatores políticos e econômicos, revela um estudo publicado na última semana na revista Science.


O aquecimento de até 4,8°C, previsto para o fim do século caso não sejam tomadas medidas para conter as emissões de gases de efeito estufa, resultaria em 660 mil novos pedidos de asilo, sugere o estudo, que somados às motivações políticas e econômicas, poderia resultar em um milhão de imigrantes por ano.


De acordo com o direito internacional, no entanto, apenas aqueles que fugiram de seus países devido a guerra ou perseguição têm direito ao status de refugiado. Pessoas obrigadas a sair de casa por causa das mudanças climáticas não são protegidas pela lei, dizem especialistas. E o excesso de imigrantes aumenta o potencial de tensão entre os países.


Obviamente os efeitos das mudanças do clima também serão sentidos na Europa, mas as temperaturas mais baixas e a boa infraestrutura devem tornar o continente o principal destino daqueles que perdem suas casas, especialmente em países mais pobres.


O estudo da Science considerou pedidos de asilo na União Europeia de 103 países entre 2000 e 2014, período em que a média foi de mais de 350 mil por ano. Eles relacionaram as informações aos fatores ambientais, como temperatura e clima, e fatores sociais, como conflitos e instabilidade políticas.


Os dados mostraram que quanto mais a temperatura sobe acima dos 20°C em regiões agrícolas, mais pessoas deixam suas casas, como no Iraque e no Paquistão. Por outro lado, a imigração de países mais frios cai quando as temperaturas superam os 20°C.


O estudo foi realizado por cientistas da Universidade de Columbia, em Nova York, com apoio do Centro Comum de Pesquisa da União Europeia (UE) e do Departamento de Energia dos EUA.


Fonte: https://goo.gl/yc5vS3


26 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva