Aldeias indígenas ficam isoladas após rios transbordarem no Tocantins


Seis cidades da região sudoeste do estado estão em situação de emergência pelas chuvas. Defensoria Pública diz que estudantes estão sem aulas e há risco de proliferação de doenças.


Aldeias indígenas da etnia Krahô estão completamente isoladas no sudoeste do Tocantins após rios transbordarem pelo excesso de chuvas. As cidades da região receberam em média 500 milímetros de chuva em fevereiro, quase o dobro dos 300 milímetros que eram esperados para o período. Uma das situações mais graves é a da Aldeia Takaywrá, onde passa o rio Formoso. As casas foram invadidas pela água.


A Defensoria Pública do Estado afirma que os estudantes que moram no local estão sem frequentar aulas e que há risco de proliferação de doenças, já que não há saneamento básico na região. Animais também estariam morrendo afogados, inclusive os usados pelos indígenas para a própria alimentação.



A Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o Ministério de Direitos Humanos brasileiro foram avisados sobre o caso. A informação da defensoria é que não há condições de moradia digna na aldeia no momento. A maioria da comunidade é formada por idosos e crianças, que vivem em extrema pobreza.



O Governo do Tocantins decretou situação de emergência em seis cidades da região, incluindo Lagoa da Confusão, onde fica a Aldeia Takaywrá. Lavouras e pastos estão submersos em várias propriedades rurais e ainda não há uma estimativa do tamanho do prejuízo.


Fonte: https://goo.gl/2uT17J



18 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva