Por que a neve ficou rosa numa geleira dos alpes italianos?


Uma geleira na Itália está ficando com uma coloração rosa devido a presença de algas, um fenômeno chamado de neve rosa ou neve de melancia. Apesar de ser algo natural, essa mudança na coloração poderá acelerar o derretimento de neve.

A geleira Presena, localizada no norte da Itália, ganhou uma colação rosa que intrigou cientistas. O registro foi feito pelo cientista italiano Biagio Di Mauro, do Instituto de Ciências Polares do Centro Nacional de Pesquisa da Itália, no início desse mês durante uma pesquisa de campo.

A chamada “neve rosa” ou “neve de melancia” é um fenômeno comum nos Alpes durante os meses de primavera e verão austral, porém ela surgiu de forma mais acentuada neste ano. Di Mauro disse a CNN que acredita que uma alga chamada Chlamydomonas nivalis é responsável por essa mudança de cor. Essa alga também foi responsável pelo registro da chamada “neve de sangue” na Antártica em fevereiro desse ano, associados aos recordes de temperaturas registrados.

Durante o inverno essas algas ficam adormecidas ao serem cobertas pela neve. Na primavera o aumento de luz solar e a neve derretida estimulam sua germinação. Nesse ano, a primavera e verão tiveram baixa queda de neve e temperaturas mais altas que o normal, condições que estimularam ainda mais a proliferação dessas algas.

Apesar de ser um fenômeno natural, a proliferação dessas algas é preocupante, já que ao alterar a coloração da neve, o processo de derretimento de gelo pode ser acelerado. A neve pura tem um albedo muito alto, refletindo quase toda a luz solar que recebe (cerca de 80%). Porém, à medida que ela é escurecida seu albedo diminui e ela passa a absorver mais luz, essa energia absorvida se torna calor, aquecendo a neve.

Dessa forma, ao deixar a neve rosa, as algas contribuem para o aquecimento e o consequente derretimento da neve na geleira. Com mais neve derretida, as algas crescem e se desenvolvem ainda mais, agravando ainda mais esse efeito de derretimento do gelo.

Di Mauro já havia estudado o surgimento de outra alga chamada Ancylonema nordenskioeldii que transformou o gelo em roxo na geleira de Morteratsch na Suíça, e que também foi encontrada na Groenlândia, Andes e Himalaia. Cientistas alertam que o surgimento dessas algas poderá se tornar um problema se passar a ocorrer com maior frequência

A geleira de Presena já tem sofrido muito com o derretimento de gelo acelerado, perdendo mais de um terço de seu volume desde 1993. Para tentar frear esse derretimento, todo verão parte da geleira é coberta com grandes lonas brancas que servem para aumentar a reflexão da luz solar e manter a temperatura da neve menor que a do ar superior, preservando o maior volume de neve possível.


Fonte

#Neve #AquecimentoGlobal

122 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva