Mudança climática causa desertificação nas terras do povo Navajo, nos EUA

Areia já cobre cerca de 1/3 da reserva, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Por Reuters



Uma casa é vista em meio a uma paisagem desértica da Nação Navajo — Foto: Stephanie Keith/Reuters


Com duas décadas de seca severa na reserva Navajo, a área aberta ao redor da fazenda de ovelhas de Maybelle Sloan se estende em uma extensão de terra marrom e arbustos.

Um vento seco sopra poeira no planalto do alto deserto e fumaça de incêndios florestais no Arizona e na Califórnia envolvem a borda próxima do Grand Canyon. As chuvas das monções de verão não aconteceram novamente, e as lagoas destinadas a coletar água da chuva para os meses quentes de verão estão secas.


Maybelle e Leonard caminham vindo de seu curral de gado — Foto: Stephanie Keith/Reuters


Sem água subterrânea para seus animais, Sloan, de 59 anos, enche o cocho do gado com água de um tanque de plástico de 4500 litros. Ela e o marido, Leonard, precisam pagar até US$ 300 para que o tanque seja abastecido, pois sua caminhonete quebrou. Quando está funcionando, ela mesma pega água a cada dois dias, gastando US$ 80 por semana em combustível.

O custo do transporte de água tornou seu rancho não lucrativo.


O povo Navajo — ocupando uma área de 70 mil quilômetros quadrados que abrange os estados americanos do Arizona, Novo México e Utah — compete com cidades em crescimento, incluindo Phoenix e Los Angeles, pelo abastecimento de água.

E à medida que a mudança climática seca o oeste dos EUA, esse fornecimento está se tornando cada vez mais precário.


Nas décadas passadas, “chovia todos os anos por volta de junho, julho, agosto”, disse Leonard Sloan. O fazendeiro de 64 anos apontou para os lagos secos no solo perto de um monte local chamado Missing Tooth Rock.

“Se tivéssemos aquela tempestade, haveria água e eles estariam cheios. E agora, devido ao aquecimento global, não temos chuva, só um pouco".

Para manter seu rancho vivo, os Sloans precisam obter água, que é gratuita, do único poço de gado na área a cerca de 24 km para o leste.


Eles gastam entre 3 e 4 mil dólares por ano em feno para complementar a alimentação de seus animais, já que a área aberta não produz mais grama suficiente para sustentá-los.


Maybelle reduziu seu rebanho de ovelhas para 24 cabeças, e Leonard diz para ela se livrar delas e de suas 18 cabras para se concentrar nos 42 bovinos, que dão mais dinheiro no mercado.


Mas Maybelle se irrita com a ideia de desistir do pastoreio de ovelhas que aprendeu com sua mãe e sua avó antes dela. A mãe, o pai e a irmã de Maybelle morreram de coronavírus em abril deste ano.


"Estou fazendo isso pelos meus pais", disse Maybelle, enxugando as lágrimas enquanto se sentava na grade de metal de um curral e via seu gado lamber blocos de sal e beber água.


Desastre gradual


A Represa Glen Canyon, que cria o Lago Powell a partir do Rio Colorado, é vista em Page, no Arizona — Foto: Stephanie Keith/Reuters

Os Sloans se lembram que a grama crescia tão alta quanto a altura da barriga de um cavalo até os anos 1980.


Mas as condições de seca na reserva se tornaram implacáveis a partir de meados da década de 1990.


As temperaturas médias anuais aumentaram 1,4 graus Fahrenheit (0,8 ºC) na área da reserva de Navajo County ao longo dos últimos 100 anos até 2019, de acordo com dados da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA).


Os meses de junho a agosto deste ano foram os mais secos já registrados na área para o período de três meses, de acordo com dados de monitoramento de secas estudados pelo cientista climático David Simeral, do Desert Research Institute, em Nevada. Três das cinco estações chuvosas (de julho a agosto) mais secas na área ocorreram desde o final dos anos 1990.


A tendência de aquecimento levou à desertificação, com dunas de areia cobrindo agora cerca de um terço da reserva, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).


Todos os rios da reserva, exceto um, pararam de correr o ano todo, disse Margaret Redsteer, cientista da Universidade de Washington em Bothell.

“Essa é a coisa realmente complicada sobre as secas, e as mudanças climáticas são assim também”, disse Redsteer. “É um desastre gradual.”


Pessoas Determinadas

No papel, a Nação Navajo tem extensos direitos à água com base na doutrina federal de “direitos reservados”, que afirma que as nações nativas americanas têm direitos à terra e aos recursos em tratados que assinaram com os Estados Unidos.


Na prática, os Navajos e outras tribos foram deixados de fora de muitas negociações do século 20 para dividir as águas do Oeste americano.



Eugene Boonie, de 55 anos, enche seu tanque de água em uma torneira de água para gado no Bodaway Chapter, na reserva Navajo. 'Temos que vir aqui para buscar água dia sim, dia não', disse ele. 'Costumávamos conseguir água da chuva, mas não tem chovido neste verão ou mesmo nos últimos anos.' — Foto: Stephanie Keith/Reuters


Há sinais de que alguns membros da próxima geração estão mantendo as tradições do rancho.


Alguns jovens ajudam os avós a retirar água todos os dias do único poço para o gado na área de Bodaway-Gap. Outros ainda, incluindo os filhos de Maybelle, enviam dinheiro de seu trabalho fora da reserva para ajudar a financiar as fazendas de suas famílias.

“Nós, índios, não desistimos muito facilmente”, disse Maybelle. “Somos pessoas realmente determinadas.”



Summer Weeks, de 23 anos, dá banho em sua filha Ravynn, de dois anos. 'Não me importo de viver sem água corrente e eletricidade. Cresci assim, estou acostumada. Vim para cá porque queria que meus filhos tivessem o mesmo tipo de educação que eu tive', disse ela. — Foto: Stephanie Keith/Reuters

19 visualizações0 comentário