Mudanças climáticas: possibilidade de extinção humana precisa ser estudada, defendem pesquisadores

Novas pesquisas dizem que não contemplar o pior cenário possível pode ser um erro fatal.


Por BBC



Os possíveis resultados catastróficos das mudanças climáticas não estão sendo levados a sério o suficiente pelos cientistas — Foto: YUI MOK


Os possíveis resultados catastróficos das mudanças climáticas — incluindo até mesmo a possibilidade de extinção dos seres humanos — não estão sendo levados a sério o suficiente pelos cientistas, diz um novo estudo.

Os autores dizem que as consequências de um aquecimento global mais extremo são "perigosamente pouco exploradas".


Os cientistas do estudo argumentam que o mundo precisa começar a se preparar para a possibilidade do que eles chamam de "resultado final" do aquecimento global. Eles também fazem um apelo aos cientistas da ONU para que investiguem o risco de mudanças catastróficas no ambiente.


De acordo com esse novo estudo, as maiores tentativas de abordar como as mudanças climáticas levariam a uma catástrofe global foram feitas por livros de ciência popular, como A Terra Inabitável, de David Wallace-Wells, e não por pesquisa científica convencional.


Nos últimos anos, os cientistas do clima estudaram com mais frequência os impactos do aquecimento de cerca de 1,5°C ou 2°C acima das temperaturas observadas em 1850, antes do início da industrialização global.


Esses estudos mostram que manter as temperaturas próximas a esses níveis neste século sobrecarregará as economias globais, mas não preveem o fim da humanidade.


Os pesquisadores se concentraram nesses cenários de temperatura mais baixa por boas razões.


Quase todos os países do planeta assinaram o acordo climático de Paris, que visa manter o aumento das temperaturas globais "bem abaixo" de 2°C neste século e fazer esforços para mantê-lo abaixo de 1,5°C.


Por isso é natural que os governos peçam a cientistas que mostrem exatamente o que esse tipo de mudança significaria.


Mas o novo estudo diz que não foi dada atenção suficiente aos resultados mais extremos das mudanças climáticas.


"Acho que é uma gestão de risco sensata pensar nos piores cenários possíveis. Se fazemos isso em todas as outras situações, definitivamente devemos fazer quando se trata do destino do planeta e das espécies", diz Luke Kemp, principal autor do estudo, da Universidade de Cambridge.

Os pesquisadores descobriram que as estimativas dos impactos de um aumento de temperatura de 3°C estão sub-representadas em comparação com sua probabilidade.


Usando modelos climáticos, o relatório mostra que — nesse tipo de cenário — em 2070 cerca de 2 bilhões de pessoas vivendo em algumas das áreas politicamente mais frágeis do mundo estariam enfrentando temperaturas médias anuais de 29°C.


"Temperaturas médias anuais de 29°C afetam atualmente cerca de 30 milhões de pessoas no Saara e na Costa do Golfo", diz o coautor do estudo, Chi Xu, da Universidade de Nanjing.


"Até 2070, essas temperaturas e as consequências sociais e políticas afetarão diretamente duas potências nucleares e sete laboratórios de contenção máxima que abrigam os patógenos mais perigosos. Há um sério potencial para efeitos desastrosos em cadeia", disse ele.


O relatório diz que as altas temperaturas não são o único problema. Há também os efeitos indiretos, como crises alimentares e financeiras, conflitos e surtos de doenças.


Os cientistas dizem que deve haver mais atenção na identificação de possíveis pontos de inflexão, onde o aumento do calor desencadeia outro evento natural que aumenta ainda mais as temperaturas — como as emissões de metano do derretimento do permafrost ou das florestas que começam a emitir carbono em vez de absorvê-lo.

Para avaliar adequadamente todos esses riscos, os autores estão solicitando ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas que realize um relatório especial sobre mudanças climáticas catastróficas.


Os pesquisadores disseram que estudar a fundo as consequências dos piores cenários é fundamental, mesmo que isso possa assustar as pessoas.


Eles dizem que uma pesquisa assim permitiria aos cientistas considerar alternativas de emergência, como engenharia climática, que podem envolver o bombeamento de gases refrigerantes na atmosfera. Os pesquisadores seriam capazes de realizar uma análise de risco para essas intervenções drásticas. Focar nos piores cenários também pode ajudar a educar as pessoas — e pode até reduzir as probabilidades de alguns desses cenários virarem realidade.


"Entender esses cenários plausíveis, mas sombrios, é algo que pode angariar apoio junto à opinião política e civil", diz Kemp.

"Vimos isso quando se identificou a ideia de um inverno nuclear que ajudou a impulsionar muitos esforços públicos, bem como o movimento de desarmamento ao longo dos anos 1970 e 1980."


"E espero que, se pudermos encontrar mecanismos concretos e claros semelhantes quando se trata de pensar sobre as mudanças climáticas, também tenha um efeito semelhante".


O apelo por um estudo profundo de cenários mais extremos vai agradar a muitos ativistas climáticos mais jovens, que dizem que o tema não é abordado porque poderia assustar as pessoas e levá-las à inação.


"É vital que tenhamos pesquisas em todas as áreas das mudanças climáticas, incluindo a assustadora realidade de eventos catastróficos", diz Laura Young, ativista climática, de 25 anos de idade.


"Isso ocorre porque sem toda a verdade e todos os impactos potenciais, não faremos as escolhas informadas de que precisamos e não estaremos conduzindo a ação climática com pressão suficiente."


O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A repórter de clima e ciências da BBC News, Ella Hambly, colaborou.


- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62391443



7 visualizações0 comentário