ENERGIA SOLAR: COMO O CLIMA INTERFERE NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA?


Por Somar Meteorologia


Você não tem certeza de que o clima interfere na geração de energia elétrica por coletores solares? Não sabe se o investimento nesse sistema compensará?


O Brasil é um dos países com maior incidência solar e isso o torna especialmente apto a utilizar placas fotovoltaicas para a geração de energia elétrica. Por isso, continue lendo este texto e saiba mais sobre essa opção incrível!


O CLIMA E A ENERGIA SOLAR


O clima do local em que o sistema fotovoltaico será instalado deve ser levado em consideração, uma vez que a geração de energia fotovoltaica está vinculada à oferta de sol. Como a irradiação solar é diferente em cada região, assim como o clima, é importante analisar essas variáveis ao dimensionar o sistema.


As condições climáticas no Brasil são extremamente favoráveis para a geração de energia solar, e os níveis de irradiação são maiores do que em muitos países que já utilizam essa tecnologia. Mesmo assim, a análise desses fatores continua sendo imprescindível para garantir eficiência máxima do sistema.


Se o sistema fotovoltaico for bem dimensionado, o consumo médio ao longo do ano se manterá tanto no inverno quanto no verão — utilização de chuveiro elétrico no inverno e de ar-condicionado no verão.


Inclusive, é provável que o sistema bem dimensionado produza mais energia do que é consumida durante o verão. Esse valor não utilizado se converte em crédito na concessionária de energia e pode ser utilizado em meses de maior consumo.


INVERNO E VERÃO

No inverno, os dias têm menor duração e, consequentemente, menor a exposição do sistema ao sol, o que resulta em menor produção de energia quando comparado ao verão. Essa variação é maior em cidades próximas ao Hemisfério Sul.


Já as regiões próximas à Linha do Equador, praticamente, não apresentam variação na duração dos dias no inverno e no verão. Portanto, a produção de energia ao longo do ano praticamente é a mesma.


OUTONO

O outono é marcado pela queda das folhas e essas, quando acumuladas, podem provocar sombreamento nos painéis fotovoltaicos. Esse é um dos fatores que mais prejudicam a eficiência do sistema.


Além disso, o resíduo de pássaros e o acúmulo de poeira podem contribuir para uma queda de produtividade de, aproximadamente, 15%.


PERÍODOS CHUVOSOS

A chuva é positiva ao sistema pois proporciona a limpeza dos painéis. Contudo, devido à nebulosidade e à diminuição dos níveis de irradiação que acompanham as chuvas, a produção de energia é afetada.


Entretanto, a maioria das regiões brasileiras apresenta números de precipitação relativamente baixos, com exceção da região Norte. E é importante ressaltar que, mesmo em dias nublados e cinzentos, o desempenho do sistema fotovoltaico é positivo.


OS BENEFÍCIOS


A geração de energia solar é muito interessante do ponto de vista ecológico e econômico. Também é importante lembrar que o valor a se pagar mensalmente para a concessionária de luz é consideravelmente menor quando comparado à energia elétrica.

Além disso, como o Brasil está próximo à Linha do Equador, o clima interfere na geração de energia elétrica de forma muito positiva, tornando o país um dos melhores países a utilizar esse tipo de energia.


Agora que você já sabe como o clima interfere na geração de energia elétrica, deixe um comentário no post falando se você já utiliza essa tecnologia para geração de energia, ou se deseja utilizá-la!


Fonte: https://goo.gl/UANAfq


29 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva