Onda de calor na Europa complica prevenção do coronavírus, que continua devastando o Brasil

Por AFP


A onda de calor que sacode a Europa e que leva os moradores às praias põe à prova a prevenção contra surtos de coronavírus no Velho Continente, enquanto o Brasil ultrapassou os 100 mil mortos por COVID-19 e os Estados Unidos atingiram 5 milhões de contágios.


Banhistas frequentam praia em Oostende, na BélgicaImagem: 8.ago.2020 - Eric Lalmand/AFP


Com temperaturas superiores a 35ºC na maior parte do continente e surtos aumentando perigosamente como na Espanha, as autoridades europeias tentam impor medidas de distanciamento e o uso de máscara para conter a propagação.


Com mais de 213.000 mortos, de acordo com um balanço da AFP com base em fontes oficiais, a Europa é o segundo continente mais afetado pela pandemia, atrás apenas da América Latina e Caribe, onde as mortes ultrapassam 218.345.


O Brasil superou no sábado 100 mil mortes e se consolida como o segundo país mais afetado, atrás dos Estados Unidos (162.435 mortes) e à frente do México (52.006), Reino Unido (46.566) e Índia (43.379). Só no sábado, 6.045 novas mortes e 278.509 infecções foram registradas no mundo. Os Estados Unidos, com 1.329, Brasil (905) e Índia (861), encabeçam esta lista sinistra.


E neste domingo, os Estados Unidos ultrapassaram a barreira de 5 milhões de infecções por coronavírus, de acordo com contagem realizada pela Universidade Johns Hopkins.


Na Europa, que em maio deixou para trás o confinamento na maioria dos países, os surtos reapareceram a partir de julho, obrigando a adoção de novas restrições em pleno verão, dada a relutância de parte de seus habitantes, em particular os mais jovens, e em detrimento de uma economia abalada que em muitos dos países mais afetados é altamente dependente do turismo.


Proibição de turistas nas praias da Bélgica


Diversas cidades e balneários da Bélgica, localizados na costa flamenga, anunciaram neste domingo a proibição de "turistas de um dia". A medida, adotada nas cidades de Knokke-Heist e Blankenberge, surge após confrontos no sábado entre turistas e a prisão de veranistas em uma dessas cidades.


Em Blankenberge, um grupo de jovens foi convidado a deixar a praia por se recusar a respeitar as medidas de distanciamento. Essa disputa entre veranistas virou briga quando a polícia chegou, que foi atacada com guarda-sóis, segundo vídeos postados nas redes sociais.


No Reino Unido e na Alemanha, o litoral também está lotado e as autoridades alemãs tiveram que exigir o fechamento de lagos e algumas praias do norte do país devido à impossibilidade de respeitar as medidas de segurança. Cerca de 5.000 pessoas se manifestaram em Viena no sábado para exigir o levantamento das restrições devido à crise de saúde e mais ajuda do governo a bares e boates.


Desde o final de julho, o uso da máscara é obrigatório em espaços públicos fechados em grande parte dos países do Velho Continente. A partir de segunda-feira, será obrigatório em algumas das áreas mais movimentadas de Paris, como o cais do Sena ou a zona turística de Montmartre.



4 visualizações

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva