Reduzir poluição do ar evitaria 50.000 mortes na Europa

Reduzir a poluição do ar aos níveis recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) poderia prevenir mais de 50.000 mortes por ano na Europa – aponta um estudo publicado nesta quarta-feira (20), que pede uma ação rápida.


Por AFP


Reduzir a poluição do ar nos níveis recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) pode evitar mais de 50.000 mortes ao ano na Europa, diz estudo - AFP/Arquivos


A OMS estima que a poluição do ar mata mais de sete milhões de pessoas por ano em todo mundo e também causa doenças e absenteísmo no trabalho.


O limite recomendado pela OMS para partículas finas PM2,5 é de 10 microgramas/m3 como média anual e, para o dióxido de nitrogênio (NO2), 40 μg/m3 como média anual.

A nocividade para a saúde das partículas finas foi demonstrada, especialmente nas áreas urbanas, contribuindo, por exemplo, para mortalidade e doenças cardiovasculares e respiratórias, transtornos na gravidez e no crescimento fetal.


Publicado na revista Lancet Planetary Health, o estudo calculou as mortes prematuras ligadas a esses dois poluentes em 1.000 cidades europeias.

Respeitar as recomendações da OMS permitiria evitar 51.213 mortes prematuras por ano, segundo os pesquisadores.


O estudo “mostra que muitas cidades continuam sem fazer o suficiente contra a poluição do ar”, estima Mark Nieuwenhuijsen, do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal).


O número de mortes relacionadas com a poluição do ar varia de acordo com a cidade. As mais afetadas se encontram na Polônia, na República Tcheca e na planície de Padana (também conhecida como Vale do Pó), na Itália. Em contraste, a capital da Islândia, Reykjavik, Tromsø na Noruega, Umea na Suécia e Oulu na Finlândia são as menos expostas.


Em média, 84% da população das cidades está exposta a níveis superiores aos recomendados pela OMS para os PM2,5, e 9%, para o NO2.


Segundo Sasha Khomenko, coautor do estudo, é importante aplicar medidas adaptadas às condições locais, pois os níveis de poluição variam. Mudanças devem ser feitas no tráfego rodoviário, na indústria, nos portos e aeroportos, assim como no aquecimento a lenha e a carvão.



8 visualizações0 comentário

O projeto Tempo de Aprender em Clima de Ensinar foi criado pela equipe do Laboratório de Meteorologia da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (LAMET/UENF), com o intuito de discutir com alunos e professores de escolas públicas as diferenças entre os conceitos de “tempo” e “clima” através de avaliações e estudos das características da atmosfera.

Criatividade Coletiva